Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Empresa XTAGIARIOUS devolve o sorriso às crianças do Centro de Acolhimento El Betel David Mendes acusa generais de serem anticorpos da luta contra corrupção de João Lourenço Cazenga conta com nova esquadra de Polícia PGR no encalço de gestores públicos em Malanje

Irão acusa Israel de ter assassinado cientista iraniano a mando dos EUA


O Presidente iraniano Hassan Rohani acusou hoje Israel de agir como "mercenário" para os Estados Unidos ao assassinar um cientista no programa nuclear iraniano, perto de Teerão, na sexta-feira.

"Mais uma vez, as mãos impiedosas da arrogância mundial, com o regime sionista usurpador como mercenário, estão manchadas com o sangue de um filho desta nação", denunciou Rohani numa declaração publicada no seu site oficial, referindo-se ao assassinato de Mohsen Fakhrizadeh.

O Irão usa norlmalmente o termo "arrogância global" para se referir aos Estados Unidos.

Rohani prometeu que a morte do cientista não iria "perturbar" o progresso científico no país, reforçando que a morte se devia à "fraqueza e incapacidade" dos inimigos de Teerão de impedir o seu desenvolvimento.

O Presidente iraniano também ofereceu as suas condolências "à comunidade científica e ao povo revolucionário do Irão".

Na sexta-feira, o chefe do Estado-Maior iraniano, general Mohammad Bagheri, alertou que "uma terrível vingança" se abaterá sobre os responsáveis pelo assassínio do cientista iraniano especializado no setor nuclear.

"Os grupos terroristas e os responsáveis e autores dessa tentativa covarde devem saber que uma terrível vingança os aguarda", escreveu Bagheri na rede social Twitter, segundo a agência estatal Irna.

Em comunicado, o Ministério da Defesa do Irão identificou o alvo do ataque como sendo Mohsen Fakhrizadeh, chefe do departamento de pesquisa e inovação daquele ministério.

Mohsen Fakhrizadeh ficou "gravemente ferido" quando o seu carro foi alvejado por vários atacantes, que por sua vez foram atacados pela equipa de segurança do cientista, pode ler-se no comunicado, em que acrescenta que a equipa médica não o conseguiu reanimar.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos indicou, em 2008, que o cientista estava a realizar "atividades e transações que contribuíam para o desenvolvimento do programa nuclear do Irão.

Fakhrizadeh tinha sido descrito pelo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, como o pai do programa de armas nucleares do Irão.

Fakhrizadeh liderou o chamado programa "Amad", ou "Esperança", do Irão.

Israel e o Ocidente alegaram que essa operação militar tinha como objetivo saber a viabilidade de construção de armas nucleares no Irão, mas Teerão alegou sempre que o seu programa nuclear é pacífico.

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) referiu que o programa "Amad" terminou no início dos anos 2000 e os seus inspetores monitorizam agora as instalações iranianas como parte do acordo nuclear do Irão com os cinco países com assento permanente no Conselho de Segurança da ONU -- Estados Unidos, Rússia, China, Reino Unido e França -- e a Alemanha.

C/NM

Você pode partilhar este post!

Artigos Relacionados