Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Empresa XTAGIARIOUS devolve o sorriso às crianças do Centro de Acolhimento El Betel David Mendes acusa generais de serem anticorpos da luta contra corrupção de João Lourenço Cazenga conta com nova esquadra de Polícia PGR no encalço de gestores públicos em Malanje

Mais de 330 mil pessoas em Angola vivem com VIH/SIDA


Segundo dados de 2018 da UNAIDS, o escritório para a SIDA das Nações Unidas, em Angola houve um aumento de 33% nas mortes relacionadas à SIDA desde 2010, de 10.000 mortes para 14.000 mortes.

O número de novas infecções pelo HIV também aumentou, de 26 mil para 28 mil no mesmo período.

As mulheres são desproporcionalmente afetadas pelo HIV em Angola: dos 300 mil adultos que vivem com HIV, 200 mil (66,67%) eram mulheres. As novas infecções por HIV entre mulheres jovens de 15 a 24 anos foram mais do que o triplo daquelas entre homens jovens: 6.800 novas infecções entre mulheres jovens, em comparação com 1.900 entre homens jovens.

O tratamento do HIV foi maior entre os homens do que entre as mulheres, com 30% dos homens adultos com HIV em tratamento, em comparação com 27% das mulheres adultas.

O PEPFAR (programa americano de emergência do Presidente para o alívio da SIDA) tem investido em Angola desde 2007. A representante americana do programa, dra. Evonne Amaka, falou com a VOA sobre o estado do programa, destacando o alargamento às províncias de Benguela, Cunene, Huambo e Lunda Sul, o impacto da Covid-19 sobre o programa e também a iniciativa conjunta com o programa da primeira-dama "Nascer Livre para Brilhar".

P: Como descreveria o impacto do Pepfar em Angola?

R: Acho que a cada ano, nos últimos 13 anos, fomos capazes de aumentar nosso apoio ao financiamento e aumentar nosso impacto. Nomeadamente nos últimos dois anos, especificamente, saímos da província de Luanda, onde temos raízes profundas no trabalho com muitas unidades de saúde, bem como com muitas comunidades e parceiros e percebemos a necessidade no interior do país. Atualmente o PEPFAR trabalha em quatro províncias, Benguela, Cunene, Huambo e Lunda Sul.

E o impacto tem sido fantástico, à medida que nos envolvemos mais profundamente nas províncias e continuamos a ajudar a fortalecer a capacidade das unidades de saúde, ao nível das clínicas e hospitais.

Continuamos a engajar a comunidade para assegurar que o seu conhecimento do HIV aumente.

Portanto, esperamos que o nosso portfólio atual traga mais financiamento no país, tanto quanto possível para ajudar a controlar a propagação do HIV.

P: Pelo que descreveu, é possível que Angola receba fundos extra para enfrentar este desafio?

R: O PEPFAR continua a monitorar o impacto anualmente em todos os países que apoiamos, incluindo Angola. Por exemplo, em 2018, o financiamento diminuiu ligeiramente e, ao sair de Luanda, tivemos a sorte de sermos capazes de defender financiamento adicional e, portanto, o nosso financiamento aumentou em cinco milhões, (quase seis milhões de dólares) no último ano do programa, de 10 milhões para 15,7 milhões de dólares, para ajudar a melhorar esse impacto nas áreas nacionais, nas áreas provinciais e nos municípios.

P: Dados de 2018 mostram que 330 mil pessoas em Angola vivem com SIDA. De acordo com as Nações Unidas, desse número, 42 por cento sabiam do seu estado e 27 por cento estavam em tratamento.

O que vê como principais obstáculos para aumentar a percentagem de pessoas conscientes do seu estado e sob tratamento? E também, qual é o maior obstáculo na prevenção de novas infeções?

R: Sim, tocaste num ponto muito importante e, na verdade, num ponto crítico do PEPFAR e da parceria com governos nos países onde trabalhamos.

O PEPFAR em Angola continua a trabalhar com o governo de Angola, o Ministério da Saúde e outros ministérios para garantir que ajudemos a impulsionar e fortalecer a estratégia 90-90-90 da Organização Mundial da Saúde.

Esta estratégia visa garantir que 90 por cento de todas as pessoas que vivem com HIV conheçam o seu estado, que 90 por cento de todas as pessoas com a infecção pelo HIV diagnosticada recebam o tratamento anti-retroviral de que desejam e precisam e que 90 por cento de todas as pessoas a receber essa terapia e tratamento obtenha o que chamamos de supressão viral, a menor quantidade de vírus HIV no corpo, de modo que eles se tornem não detectáveis, tão baixos que parece que o vírus é mínimo no seu sangue e corpo.

E assim, os números que referiste sobre para 2018 entre a população de pessoas com HIV estão bem abaixo dos anos 90, e assim as ações que tomamos ao lado de muitos parceiros OMS, UNAIDS e Fundo Global, incluindo todos em colaboração com o governo de Angola, é para garantir que aumentamos o conhecimento e a consciência do povo de Angola sobre o seu estado serológico.

As nossas ações e atividades fazem parte do que chamamos de assistência técnica e capacidade de suporte, garantindo que aqueles que administram o tratamento, administram os testes, tenham a melhor formação, que entendam o vírus e como ele funciona, que eles sejam capazes de se comunicar com aqueles que precisam ser testados, para receberem o tratamento na comunidade e nas instalações da melhor forma possível

Acho que um passo crítico é a parceria que conseguimos manter ao lado da primeira-dama, a iniciativa "Nascer Livre para Brilhar". Esta iniciativa deu o impulso para abordar uma população crítica, a de mulheres e especialmente mulheres grávidas que podem ser seropositivas e transmitir aos seus filhos, aos seus parceiros sexuais e outras pessoas da comunidade.

P: Qual é o progresso nesse foco particular, da transmissão vertical nessas comunidades?

R: O PEPFAR Angola tem o que chamamos de abordagem focada na família.

Trabalhamos para encontrar e tratar mulheres que vivem com HIV, testá-las, tratá-las e a todos os seus filhos e parceiros sexuais com o objetivo de, eventualmente, alcançar pessoas que vivem com HIV e naquelas quatro províncias prioritárias que mencionei.

Mais de 50 por cento das mulheres em Angola dão à luz em casa. Portanto, encontrar mulheres grávidas e apoiá-las na comunidade, testá-las e vinculá-las aos cuidados é o nosso maior objetivo. Este ano, com o financiamento que mencionei em 15,7 milhões de dólares, pretendemos alcançar muitas unidades de cuidados pré-natais que esperamos saturar. Isso significa quase alcançar todas as unidades de cuidados pré-natais nas províncias onde trabalhamos e preencher a lacuna e fortalecer os vínculos entre essas unidades de saúde e a comunidade e testar e tratar para melhorar a capacidade técnica.

P: Tem alguma história de sucesso?

R: Com este programa Mães para Mães, que começou na África do Sul e agora alcançou muitos países, acredito que até nove, incluindo Angola, descobrimos que a mentoria de mulheres seropostivas para outras mulheres tem sido extremamente bem-sucedida. E então essas mulheres vão para as comunidades, elas não ficam sentadas atrás da mesa, simplesmente esperando que outras mulheres positivas se aproximem delas. Em vez disso, eles saem e tentam encontrar e identificam-se com essas mulheres. Elas identificam-se com os seus desafios, com seus medos e o estigma e a discriminação que podem sentir.

Elas também encontram assim um grupo de apoio, um grupo de mulheres com ideias semelhantes que lidam com questões semelhantes, mas ao mesmo tempo continuam a viver bem e a controlar a sua doença.

P: Tem histórias de crianças que nasceram livres do HIV-SIDA?

R: Sim. Acho que é uma prova do trabalho árduo das mulheres e do seu desejo de ter um filho negativo. Portanto, a maioria das crianças que nasceram dentro do nosso programa e dentro do país, em parceria com o programa nacional, nasceram HIV negativos.

P: O seu trabalho envolve muito trabalho de campo. Qual é o impacto que a Covid-19 está a causar?

R: Ninguém no campo da saúde pública na era da pandemia poderia ter previsto o que Covid-19 faria logisticamente.

Do ponto de vista médico, bem como pessoalmente, para muitas famílias nos últimos seis a nove meses, acho que o que vimos ao abordar as necessidades das pessoas seropositivas em Angola é uma resiliência. Tens homens, mulheres e crianças a ligar para informar, "posso ficar sem remédios", isso é uma consciência ampliada e mostra a importância que eles dão à sua saúde, ao que pode acontecer. E então tivemos que ser muito inovadores e criativos com os nossos parceiros para ter certeza de que as pessoas que precisavam de medicamentos os recebiam.

Tem sido um desafio financeiro. É um fardo financeiro para o sistema de saúde. Apesar disso, os programas e serviços de HIV continuaram. Fizemos parcerias com outras organizações de outros países e países fronteiriços que também se deram de forma criativa para que possamos continuar a atender às necessidades dos clientes e pacientes.

C/VOA

Você pode partilhar este post!

Artigos Relacionados