Sábado, 21 de Nov 2020 24ºC Luanda, Angola

Recentes

Crianças encontram cabeça decepada próximo de um rio em Moçambique Menino de seis anos morre com Covid no hospital em Lisboa após receber vacina Secretário da UNITA na Matala detido por burla Malária matou 568 pessoas nos hospitais do Uíge
×

Lussaty e companhia começam a ser julgados em Dezembro

Lussaty e companhia começam a ser julgados em Dezembro


De acordo com a RNA que cita fonte da Procuradoria-Geral da República, o Ministério Público já formalizou a acusação, e o Tribunal deve começar a julgar os acusados a partir do próximo mês. Neste caso, o Major Lussaty é o principal rosto do processo Nº 39/21.

Estão ainda arrolados ainda vários oficiais das Forças Armadas Angolanas, com destaque  Edelfonso Ferraz, Domingos  António, Joaquim Amado e Evaristo Cambande, todos detidos.

Os visados, são acusados de lesar o Estado angolano em milhares de dólares, com processamento de salários de alegados funcionários fantasmas da Banda de Música da Presidência da República, da empresa de Desminagem, da Unidade Chacal e de toda Secretaria Geral da Casa de Segurança do Presidente da República.

Atanásio Lucas, ex-presidente do Kuando Kubango Futebol Clube, é também acusado de ter inscrito 38 jogadores na folha de salário da Casa de  Segurança do PR.

Lembra-se que em Maio do ano em curso,  oficial das Forças Armadas Angolanas (FAA) ao serviço da Presidência da República, major Pedro Lussaty, foi apanhado, a sair do país com 10 milhões de dólares e quatro milhões de euros.

 Ao ser detido no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, em Luanda, o também chefe das Finanças da banda musical da Presidência da República, não justificou a origem do dinheiro.

Uma fonte da Casa de Segurança da Presidência da República revelou à VOA que a operação integra "um esquema antigo em que estão envolvidos muitas altas patentes" das FAA.

Segundo a fonte, o major Pedro Lussaty vinha a ser seguido após um negócio com o general Bento Kangamba, quem lhe terá vendido uma residência na Espanha.

Quando as autoridades espanholas alertaram as suas congéneres angolanas sobre a existência de um novo dono da referida residência, o major Lussaty foi notificado três vezes mas não compareceu, e, de lá para cá, as autoridades judiciais passaram a segui-lo e "fizeram o devido levantamento da sua ficha em Luanda".

Você pode partilhar este post!




Artigos Relacionados